20061023

P.A.

Para quem ainda não sabe “PA” é a unidade de medida da “Pressão Arterial”. Através de estudos científicos os especialistas dessa matéria (que são os cardiologistas) comprovaram que a medida ideal para a nossa pressão arterial deveria ser 13.8 x 8.2. Acima dessa medida já está caracterizado um quadro de hipertensão (branda, média ou severa, conforme esses números forem aumentando). Esse grande mal que aflige a humanidade, a hipertensão, acomete 20% da população adulta do mundo. No Brasil, são 16 milhões de doentes, pessoas com 50% mais chances de morrer por ataque cardíaco (Enfarte), 30% mais susceptíveis de ter um derrame cerebral (AVC), e 10% mais sujeitos à insuficiência renal. Apesar de tais riscos, 60% deles desconhecem que têm a doença, porque a hipertensão é um mal traiçoeiro, que avança lenta e silenciosamente, sem dor ou sintomas evidentes nas suas fases iniciais.
Quando se manifesta, sob a forma de um infarto, derrame ou insuficiência renal, muitas vezes já é tarde demais, e o paciente morre. Essa perda é mais triste ainda, porque, na grande maioria dos casos, isso poderia ser evitado. Caracterizada por um espessamento das paredes dos vasos sanguíneos, que dificulta a passagem do sangue, a hipertensão pode ser facilmente diagnosticada com testes regulares de pressão arterial. O exame é rápido e sem dor. Uma vez constatada a pressão alta, bastaria que o paciente, entre outras coisas, mudasse os seus hábitos alimentares, evitasse a obesidade, abandonasse as atividades estressantes, melhorasse as atividades físicas, ou usasse o imenso arsenal de remédios disponíveis para mantê-la dentro dos níveis ideais. A pressão arterial mede a força do fluxo de sangue imposta às veias e artérias. É máxima (sistólica) quando o coração se contrai e bombeia o sangue para o resto do organismo, e mínima (diastólica), entre um batimento e outro, no momento em que o músculo cardíaco relaxa.
Esse índice foi tornado público no Encontro Anual de 1999 da Sociedade Internacional de Hipertensão realizado em Amsterdã, Holanda, onde os cientistas, após pesquisa realizada por cinco anos, com 18790 hipertensos de 26 países, anunciaram a descoberta da pressão ideal: 13.8 x 8.2. Esse estudo mostrou que a pressão arterial, se mantida nesse patamar, reduz em até 45% os riscos de morte por infarto ou derrame.
Pesquisas recentes também relatam que a doação de sangue periódica previne doenças cardiovasculares. A doação de sangue tem também um efeito colateral benéfico, pois muitas pessoas somente descobrem que são hipertensas quando se candidatam a esse exercício de amor ao próximo, quando se propõem, voluntariamente, a doar o seu sangue. Não sou bobo nem nada, não dou sopa prô azar, se na vida sou lobo, não sou lobo do mar, e nas ondas azuis desse mar da vida, minha nau triunfante está a navegar, de vento em popa, na medida ideal. Ressalte-se aqui que sou doador de carteirinha (a última ocorreu há dois meses).
Recentemente fui fazer nova revisão cardiológica e o médico disse que minha PA estava muito alta (17x12). Também, pudera, depois ficar esperando por duas angustiantes horas, roendo as unhas, até ser atendido, assim, não há coração que agüente! Brincadeirinha, senhor Doutor, brincadeirinha... A PA estava ótima mas a espera foi de doar, digo, doer!

2 Comments:

Anonymous Ordisi said...

Só de ver o aparelhinho pulo para 14x10! Bom lembrar aos leitores que existem restrições para doar sangue. Especialmente histórico de doenças como hepatites e coisas e tais.

Abraços 13 x 8.

12:44 PM  
Anonymous pedro pan said...

, legal esclarecer sobre estas coisas de saúde...
prevenção e uma alimentação saudável(sempre)...
|abraços meus|

12:46 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home