20070404

Poema de Amor (Pablo Neruda)

LXIX – TARDE


Talvez não ser é ser sem que tu sejas,
sem que vás cortando o meio-dia
como uma flor azul, sem que caminhes
mais tarde pela névoa e pelos tijolos,

sem essa luz que levas na mão
que talvez outros não verão dourada,
que talvez ninguém soube que crescia
como a origem vermelha da rosa,

sem que sejas, enfim, sem que viesses
brusca, incitante, conhecer a minha vida,
rajada de roseira, trigo do vento,

e desde então sou porque tu és,
e desde então és, sou e somos,
e por amor serei, serás, seremos.

Fonte: Antologia Poética, Pablo Neruda (Cem Poemas de Amor)

Labels:

2 Comments:

Anonymous Márcia(clarinha) said...

Me deu vontade de chorar, por amor eu sou e nele me fortaleço.
Você comentou sobre O Carteiro e o Poeta, eu comprei esse filme, virou de cabeceira,rss
Lindos dias meu querido e feliz Páscoa para todos com bastante cor, alegria e chocolate tá? rss
beijossssssssss

5:56 PM  
Blogger Pedro Paulo Pan said...

, por amor é sempre...
|abraços meus|

9:36 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home