20060801

Sobre a auto-aceitação

A auto-aceitação é um passo importante na vida de cada um. Pelo menos eu penso assim. E aproveito para compartilhar abaixo um importante trecho de um livro de Edoardo Giusti, renomado psicólogo italiano especializado em gestalt-terapia, cujo texto diz:

Quando o indivíduo consegue viver com serenidade no presente significa que o exame de sua vida começou a dar frutos e, nesse momento, lhe é possível cortar os vínculos negativos que costumam nos empurrar para trás e que também nos fazem sentir medo do futuro.

Nossa vida cotidiana têm muitas exigências que pedem para ser satisfeitas. Reencontrar o prazer de cumprir os deveres mais insignificantes é um primeiro passo muito positivo e importante, pois ele representa a vitória sobre a repugnância que às vezes nos inspiram as coisas, as pessoas e os fatos. Essa mudança de comportamento e transformação pessoal é uma oportunidade única que as pessoas têm para evoluir e melhorar a qualidade de suas próprias vidas.

Essencialmente negativos são os pensamentos que tendem a tirar o sentido da vida (mas lembre-se: os pensamentos podem ser modificados!). A angústia nasce, de fato, da vontade de apagar (renovar ou negar) os vários aspectos da vida e de seus desejos, inclusive quando se trata do passado. A consciência positiva nasce justamente do contrário, da profunda aceitação de nós mesmos, com os nossos defeitos, incertezas e fraquezas. Essa consciência é própria de cada fase da vida, integrando-a com tudo o que ela comporta. Os fatos e as coisas em si nunca são negativos, mas sim os sentimentos que eles despertam. Então, ao invés de ficarmos lamentando e recriminando-se disso ou daquilo, que é uma maneira velada de apartar-se do que aconteceu, é mais útil debruçar-se nas coisas e nos problemas atuais, sem rejeitar a força e a fragilidade que carregamos dentro de nós. Somente sentindo prazer com a vida que estamos levando é que poderemos olhar mais adiante, com clareza e com tranqüilidade.

Nesse sentido devemos olhar para o futuro sim, mas também, impreterivelmente, colocar-nos sempre no momento presente e aproveitar o dia. Ter força para aceitar aquilo que não podemos modificar, coragem para modificar o que pudermos e, principalmente, sabedoria para saber discernir uma coisa da outra. Assim "agimos sem agir" (wei-wu-wei) com a consciência tranqüila do dever cumprido!
Paz e Bem!

4 Comments:

Anonymous Ordisi said...

Esse agir sem agir é um ponto importante do auto-conhecimento, sim. Indica, a meu ver, capacidade mais aguçada de percepção. E conhecimento de que uma ação poderá ter desdobramentos piores do que uma eventual inação.
Tema difícil, crítico, porém muito interessante. Parabéns por abordá-lo tão bem, Álvaro.

10:34 AM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Nossa! Me senti meio perdida, nem sei o que comentar, será que estou com sono devido a hora avançada? Hummm, pode ser....
Álvaro querido,volto cedo para comentar, passei pra deixar carinho,
beijosssssssssssss

8:53 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Bem, li e reli e concordo com tudo que falou, olharei com mais atenção para meu futuro e agirei com cautela e perseverança nos meus atos.
Senhor Álvaro, vc vai lá só pra me deixar com a boca cheia d'água é? Humm, fondue, vinho, chá de maçã, uau!! eu quero tudo isso ao lado do meu amor,rssss, com ele a meu aldo pode chover a balde,rss
Lindo dia querido,
beijossssssssss

11:40 AM  
Anonymous Ordisi said...

Álvaro: os seus comentários no meu blog alegram os meus dias. Imagino que também o dos outros leitores. Obrigado pela consideração.

Abraços.

1:09 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home