20070514

Mensagem: "A importância de ser você mesmo"

Fernando Pessoa sabia mesmo das coisas. Este foi o título do único poema que publicou em vida, para um concurso literário de grande monta. Mensagem também é um título que gosto muito, principalmente quando se trata de coisa boa. Mensagem, nome de uma coluna daquela revista franciscana que recebo lá de Goiás, por gentileza de minha amiga, Irmã Eugênia. Mensagem, também este foi o título do texto abaixo, que recebi recentemente de meu cunhado Vagner, o esotérico. Trata-se aqui da mensagem, cujo título é: “A importância de ser você mesmo”.
“Certo dia, um Samurai, que era um guerreiro muito famoso e orgulhoso, veio ver um Mestre Zen. Ao olhar o Mestre, com a sua beleza e com o encanto daquele momento, o Samurai sentiu-se repentinamente inferior. Ele então disse ao Mestre: `Porquê estou me sentindo inferior? Apenas um momento atrás, tudo estava bem. Quando aqui entrei, subitamente me senti inferior e jamais me sentira assim antes? Encarei a morte muitas vezes, mas nunca experimentei medo algum. Porquê estou me sentido assustado agora?`
O Mestre falou: `Espere, quando todos tiverem partido, responderei. `Durante todo o dia, pessoas chegavam para ver o Mestre, e o Samurai estava ficando cada vez mais cansado de esperar. Ao anoitecer, quando o quarto estava vazio, o Samurai perguntou novamente ao Mestre: `Agora, o senhor pode me responder porquê me sinto inferior?`. O Mestre o levou para fora. Era uma noite de lua cheia e ela estava justamente surgindo no horizonte. Ele disse: `Olhe para estas duas árvores, a alta e a pequena, ao seu lado. Ambas estiveram juntas ao lado da minha janela durante anos e nunca houve problema algum. A árvore menor jamais disse à maior que se sentia inferior a ela. Olhe bem, uma árvore é grande e a outra é pequena, este é um fato e nunca ouvi sussurro algum sobre isso.`
O Samurai então argumentou: `Isto se dá porque elas não podem se comparar!`. E o Mestre replicou: `Então não precisa me perguntar. Você sabe a resposta. Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem. Você é o que é e, assim, simplesmente existe. Um pequeno arbusto ou uma grande e alta árvore, não importa, você é você mesmo. Uma folhinha da relva é tão necessária quanto a maior das estrelas. O canto de um pássaro é tão necessário quanto qualquer Buda, pois o mundo será menos rico se este canto desaparecer. Simplesmente olhe à sua volta. Tudo é necessário e tudo se encaixa. É uma unidade orgânica, ninguém é mais alto ou mais baixo, ninguém é superior ou inferior. Cada um é incomparavelmente único. Você é necessário e basta. Na Natureza, tamanho não é diferença, pois tudo é expressão igual, de vida!`."
Quando éramos solteiros e íamos juntos prá "balada", Pin - o meu amigo nº 1! - me chamava de "baixinho" (como o Freddy prô Barney, "nanico"), e eu nunca liguei porque, como disse o mestre, tamanho não é documento... ri-ri-ri.... tem aquela piada daquele cara musculoso que arrepiava os músculos e dizia: "DINAMITE!"; menos em casa, por causa do paviozinho....

Labels:

5 Comments:

Blogger Kah said...

Oi Alvaro!Quero que saibas que é sempre um prazer receber tua visita, seus comentários sempre tão coerentes,e por que não dizer por vezes liricos.De maçante teus comentários não têm nada.Eu sei que não deveria exister superiodade ou inferioridade, mas é difícil prá nos humanos comuns ter sempre isso em mente, pois somos bombardeados o dia todo com propagandas que nos mostram que prá sermos melhores temos que consumir algo.Eu tento passar pros meus filhos que somos todos iguais,mas como é difícil.Um beijo meu lindo amigo, tenha uma semana iluminada!!!

2:21 PM  
Blogger Ordisi Raluz said...

Eu vivo tentando ser eu mas Alterego não deixa. Vou mandá-lo estudar sabedoria aí com você, Gafanhoto.

Abraços Zen.

12:22 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Bela mensagem, um estímulo para que nos aceitemos do jeitinho que somos, eu me amo, isso é fato [sou metida também,rsss]
Tadinho do Dinamite,kkkk
Lindo findi Álvaro querido
beijosssssssss

12:07 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Puf,puf[voltei correndo]
claro que a maçã do amor foi comida, aliás, meu alimento preferido,rss, gosto também de paçoca [hummmm] e tudo que se faz nas festas juninas, até quentão é bão ;)
Agora é deixar por conta do rojão e caprichar na caipira, ô trem bão!!!
beijosssssssssssss

12:11 PM  
Blogger Nena said...

Olá, Álvaro!

Cheguei aqui através do blog "Brincando com Palavras" da nossa (acredito) amiga em comum Clarinha.

Posso dizer que gostei muito do que li por aqui e digo que vou continuar te visitando.

Um abraço sem comparações!

5:33 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home