20060912

O discípulo e seu mestre.

O discípulo praticava há algum tempo. Em determinado dia foi ver o mestre. Estava chovendo e, quando ele chegou, deixou os sapatos e o guarda-chuva do lado de fora. Entrou e depois que prestou homenagem ao mestre, este perguntou-lhe de que lado de seus sapatos ele deixara seu guarda-chuva.
Que tipo de pergunta foi essa? Os discípulos não esperam que os mestres façam essas perguntas sem nenhum sentido. Eles esperam que seus mestres lhe perguntem sobre Deus, kundalini, chacras, karmas, dharmas, coisas ocultas, esotéricas... Mas o mestre lhe fez uma pergunta muito comum: “de que lado de seus sapatos ele deixara o guarda-chuva”. O discípulo ficou intrigado: “o que sapatos e guarda-chuvas têm a ver com a espiritualidade?”
Mas há algo de imenso valor nela. Se ele houvesse perguntado sobre o que ele tinha estudado, nada disso teria sentido. Mas havia um grande sentido nessa pergunta. O discípulo havia acabado de chegar e já não conseguia mais se lembrar do que havia feito momentos antes. Quem se preocupa onde deixou os seus sapatos e de que lado colocou o guarda-chuva, à esquerda ou à direita? Quem se importa? Quem presta tanta atenção assim a guarda-chuvas? Nós não vivemos esquecendo os nossos guarda-chuvas por aí? Quem pensa em sapatos? Quem é tão cuidadoso assim?
Mas, para o mestre, isso era o bastante! O discípulo foi recusado. O mestre disse: “Vá e medite durante sete anos”. “Sete anos?”, disse o discípulo, “apenas por causa desse pequeno engano?”. O mestre disse: “Não foi um pequeno engano. Os enganos não são pequenos ou grandes. Você ainda não está vivendo em meditação, é apenas isso. Retorne, medite durante mais sete anos e depois volte aqui”.
Essa é a parte essencial da mensagem desta história: tenha cuidado com todas as coisas. E não faça distinções entre elas, dizendo que uma é trivial e a outra é espiritual. Tudo depende de você. Preste atenção e seja cuidadoso: tudo se tornará espiritual. Não preste atenção e não seja cuidadoso: tudo será trivial.
A espiritualidade é atribuída ás coisas por você, é seu presente para o mundo, está no seu olhar, no seu pensar, no seu agir. Pense nisso e lembre-se: quando o discípulo está pronto o mestre reconhece!

P.S. – Texto adaptado do OSHO (Bagawan Sri Rajeenesh).

2 Comments:

Anonymous Márcia(clarinha) said...

Nossa que rigor...
Temos mesmo que estar atentos a todos os sentimentos e valores, cada um tem sua importancia e seu momento, mas são igualmente indispensáveis para nosso crescimento.
Gostei da mensagem Álvaro,prestarei mais atenção onde deixo meu guarda-chuva :)
lindo dia
beijossssssssssss

10:16 AM  
Anonymous Ordisi said...

Se for assim, eu sou um gênio da meditação! Eu presto atenção em coisas desse tipo. [É verdade também que nunca guardo o nome de pessoas, coisica mais sem importância, né?]

:)

Abraços.

9:04 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home