20060303

A máquina do tempo

Nem todos sabem, mas, entre os poderes da inteligência e da sabedoria há uma grande diferença. Li por aí, em algum lugar, que: “inteligente é aquele que consegue produzir uma bomba atômica”, enquanto, “sábio é aquele que consegue desarmá-la."
Assim sendo, um cientista, detentor de grandes honras e conhecimentos, resolveu criar uma máquina do tempo para dirimir de seu nobre intelecto algumas poucas dúvidas que o afligiam. Não só construiu a dita cuja, como também, em missão particular, a programou para levá-lo à presença de Tales de Mileto (640-546 a.C.), um dos mais famosos e antigos dos sete sábios da Grécia Antiga.
Lá chegando, com o maior objetivismo e sem maiores delongas, logo procurou confundir o sábio com as perguntas que mais lhe interessavam: “P- Qual a coisa mais antiga? R- Deus, porque sempre tem existido; P- Qual é coisa mais formosa? R- O Universo, porque é obra de Deus; P- Qual é a maior de todas as coisas? R- O Espaço, porque contém todo o Creador; P- Qual é a coisa mais constante? R - A Esperança, porque permanece no homem depois que ele haja perdido tudo mais; P- Qual é a melhor de todas as coisas? R- A Virtude, porque sem ela não existe nada de bom; P- Qual é a mais rápida de todas as coisas? R- O Pensamento, porque em frações de segundo ele pode voar até o final do Universo; P- Qual é a mais forte das coisas? R- A Necessidade, porque ela faz com que o homem enfrente todos os perigos da vida; P- Qual é a mais fácil de todas as coisas? R- Dar conselhos; P- Qual é a mais difícil de todas as coisas? R- Conhecer a si mesmo!”
E, por último, com o paradaxo dessa última resposta, Tales também sugeriu que o cientista voltasse um pouquinho mais a sua máquina do tempo e que fosse procurar um outro grande filósofo grego, para obter a resposta de uma nova pergunta que o sábio segredou-lhe ao rabo do ouvido. Dito e feito: lá chegando o cientista perguntou à Sócrates (470-399 a.C.): “Eu sou inteligente?” No que este respondeu-lhe: “Inteligente é aquele que sabe que nada sabe!”.
Pois é, prezados leitores, com um mínimo de sabedoria é necessário e urgente que, com humildade, conheçamos a resposta à estes dois grandes enigmas (“conhece-te a ti mesmo” e “inteligente é aquele que sabe que nada sabe”) pois neles está todo o segredo do Universo.
“PERIGO, PERIGO, PERIGO...”: com ou sem máquina do tempo, “Perdidos no Espaço” é outra história.... e, essa, fica prá depois.

4 Comments:

Anonymous Ordisi Raluz said...

Caro amigo, excelente texto. Entretanto, ousaria reformar a frase "de que nada sabe" (que é inerte, passiva) para "sabe que, quanto mais aprende, verifica menos saber" (pró-ativa).

Abrs.

[Curiosamente - em relação ao seu comentário no blog - OR significa luz, em hebraico].

7:35 AM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Cada dia penso que mais sei porém quando me dou conta o que sei é que sei menos pois esqueci de aprender quando me achava sabida demais.....e assim dia após dia necessito saber,o que realmente sei é que minha vida é um aprendizado constante...
Anjo Vehuliah pq está tão triste?
lindo dia meu querido,
beijossssssssssssssss
*Adorei o texto.

10:28 AM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Sim Sr.Anjo,saquei!rsssss
Ótima noite,
beijosssssssssss[durma com seu anjo]

4:02 PM  
Blogger reflexoes depois said...

Passando para desejar um final de semana bastante agradável! Uma abração carinhoso!

11:42 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home